Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

madureirapalmeiras1b

 MADUREIRA, ex-jogador do América-RJ, C.A. Operário-SC, Grêmio-RS, E.C. Metropol-SC, Vasco da Gama-RJ, C.A. Ferroviário-PR, Palmeiras-SP, E.C. Pinheiros-PR, C.Atlético Paranaense e XV de Novembro de Piracicaba-SP.

madureirapalmeiras1a 

 

Carlos Alberto Ferreira, o Madureira, nasceu no dia 28 de agosto de 1941.

Madureira é casado, tem 2 filhos , o Fábio Emmanuel que nos enviou seus arquivos e Elisa Helena, ele mora na Ilha do Governador-RJ, onde trabalha como coordenador técnico, junto com o empresário Roberto Campos, o ex-jogador Didinho e o professor de Educação Física Fábio Ferreira, do Centro de Treinamento da RKK.

Madureira começou a carreira no América do Rio de Janeiro, onde jogou no ano de 1961.

Depois Madureira jogou ainda em 1962 no Clube Atlético Operário de Santa Catarina.

Ainda jogou pelo Pelotas do Rio Grande do Sul.

Depois foi para o Metropol de Santa Catarina onde ficou até o ano de 1967.

Mas em 1966 ainda jogou o ano todo no Vasco da Gama do Rio de Janeiro.

Em 1968 foi jogar no Atlético Paranaense.

No mesmo ano foi jogar ainda no Ferroviário de Curitiba, ficando até 1969.

Em 1969 foi jogar no Palmeiras-SP onde foi Campeão do Roberto Gomes Pedrosa.

Em 1970 jogou ainda na Portuguesa-SP, e ainda em 1970 voltou para o Ferroviário ficando até o ano de 1971.

Em 1972 foi jogar no Pinheiros de Curitiba-PR.

Em 1973 voltaria a jogar no Atlético Paranaense.

E em 1974 foi jogar no XV de Piracicaba-SP onde encerrou a carreira no ano de 1975.

 

 

Abaixo o Metropol dos anos 60, onde vemos em pé: Édson Madureira, Nemm, J.N.I., J.N.I., Gibi, e o goleiro Rúbens.

Agachados: Galego, Madureira, Idísio, J.N.I., J.N.I.

 

 

 

Aqui Madureira com Valdir Appel no Vasco

 

 

Atlético Paranaense, onde vemos em pé: Júlio, Torino, J.N.I., Dí, Alfredo e Neuri.

Agachados: Buião, Sicupira, Madureira, Sérgio Lopes e Didi Pedalada, e o massagista Carlos Lafuente que também trabalhou no Ferroviário.

 

Abaixo o time do Atlético Paranaense durante a Taça de Prata de 1968, onde vemos em pé:

Dirigente (?), Nilo, Zé Carlos, Célio, Bellini, Charão e Nair.

Agachados: Gildo, Zé Roberto, Madureira, Paulista e Nilson Bocão, e o massagista (?)

 

Abaixo o Atlético Paranaense de 1968, onde vemos em pé: Djalma Santos, Bellini, Charrão, Célio, Nair e Nilo.

Agachados: Gildo, Zé Roberto, Madureira, Paulista e Nilson Bocão.

 

Abaixo Madureira no Palmeiras

 

 

 

Madureira no Ferroviário.

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo camisa do Ferroviário

 

 

Abaixo o Ferroviário de 1970, antes do jogo contra o Londrina no dia 19 de abril de 1970, onde vemos em pé: Paulista, Gibi, Luis Carlos, Pedrinho, Brando e Bira.

Agachados: Maçaneiro (massagista), Ney, Madureira, Natal, Reginaldo e Ademir Fragoso.

Foto= arquivo do jogador Brando retirado do blog: cimplesocio-futebol.blogspot.com

 

 

 

 

 

Abaixo fotos do Madureira no Pinheiros de Curitiba:

Foto enviada pelo filho de Madureira, Fábio Emmanuel Ferreira, onde vemos Pedrinho do Ferroviário e Madureira do Pinheiros, eles eram companheiros no ano anterior no próprio Ferroviário.

 

 

Abaixo a foto do Lance histórico, em que Madureira faz o primeiro gol em jogos oficiais do Pinheiros.

Foto enviada pelo Historiador Luiz Fernando Evaristo torcedor fanático do Pinheiros.

 

Foto enviada pelo filho de Madureira, Fábio Emmanuel Ferreira, onde vemos Madureira no Pinheiros estando agachado aparece sendo o terceiro da esquerda para a direita.


Abaixo esta foto é do jogo Pinheiros 0x1 Atlético, pelo Torneio Pinheirão, no dia 29 de setembro de 1971.

Ele está de costas com a camisa 10.

Foto enviada pelo Historiador Luiz Fernando Evaristo torcedor fanático do Pinheiros.


Esta outra é do jogo Vasco 2x1 Pinheiros, um amistoso no Rio de Janeiro, no dia 23 de março de 1972.
Ele está quase caindo na foto pela marcação dos jogadores do Vasco.

Foto enviada pelo Historiador Luiz Fernando Evaristo torcedor fanático do Pinheiros.


Esta outra é do jogo Vasco 2x1 Pinheiros, um amistoso no Rio de Janeiro, no dia 23 de março de 1972.
Ele está quase caindo na foto pela marcação dos jogadores do Vasco.

Foto enviada pelo Historiador Luiz Fernando Evaristo torcedor fanático do Pinheiros.

 

 

A sequência da carreira de Madureira:

América FC (RJ)-1961,

C.A.Operário (SC)-1962,

Grêmio (RS)-1963/64,

EC Metropol (SC)-1964/65/67,

C.R.Vasco da Gama(RJ)-1966,

C.A.Ferroviário (PR)-1968/69/70/71,

S.E Palmeiras (SP)-1969,

A.A.Portuguesa (SP)-1970,

E.C.Pinheiros (PR)-1972,

C.A. Paranaense-1968/73,

XV de Novembro (Piracicaba-SP), 1974/75.

 

 

Abaixo Madureira com a camisa do Atlético onde marcaria um dos 50 gols mais bonitos do Futebol Paranaense.

 

Após encerrar a carreira Madureira trabalhou como Treinador de juniores nas equipes cariocas do São Cristóvão, Bonsucesso, América e Vasco da Gama.

 

Vejam o Vídeo da carreira de Madureira que seu filho Fábio Emmanuel nos enviou:

 

Gol Fantástico de Madureira na Vila Capanema em 1968 publicado por 51Renatao

 

Gols do jogo Atlético/PR 4 x 0 Corinthians, realizado em 20 de outubro de 1968, no Estádio Durival de Britto, em Curitiba, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa daquele ano. A narração é de Alexandre Santos e a transmissão é da TV Bandeirantes. Gravado do programa Gol, o Grande Momento, exibido pela TV Bandeirantes, no dia 13 de novembro de 2011.

Publicado por Arquivos 1000

 

 

Entrevista de Madureira para O Historiador Marcelo Dieguez:

banner5

madureirapalmeiras1b

 

 

1- Porque o apelido Madureira?

Então, quando moleque organizamos um time p.disputar um campeonato de várzea, e o combinado era cada um comprar uma camisa do Fluminense p.dia do jogo.....fui à loja e o vendedor p.engano embrulhou uma do Madureira....na hora do jogo eu tive q. jogar c/a camisa comprada.

2- Porque não ficou jogando no Rio de Janeiro?

Não fiquei no Rio pq o Nilzo (que era meu vizinho) estava com muita moral em Sta Catarina e sismou que eu tinha que jogar por lá.....então eu fui parar no Metropol....mas no Rio joguei no América (como juvenil em 1960, e depois excursionando pelo Brasil em 1971...qdo estava brigado c/o Ferroviário)...e no Vasco em 1966...p/empréstimo.

3- E no Metropol como foi?

Na verdade, eu cheguei em 1962 no Metropol, mas o time estava excursionando na Europa...então fiquei treinando....só que naquela época havia muitos "olheiros"....acabei assinando com o Grêmio onde fui bi-campeão gaúcho em Vice Brasileiro em 1963.....voltei p.jogar no Metropol (que na época comprou meu passe p. um valor muito alto...e mesmo assim pq estava surgindo o Alcindo Bugre dos juvenis ...então fiquei no Metropol de 1964 a 1967

4- Madureira obrigado pelo presente a Camisa do Coritiba, mas como foi a história dessa camisa?

Olha...o Coritiba tentou durante anos (de 1968 até 1974) me contratar, mas o Ferroviário e depois o Atlético sempre dificultaram...ora me emprestando, ora estipulando um valor estratosférico pelo passe....então ficou uma admiração e respeito muito grandes, inclusive sou muito próximo a alguns ídolos eternos do coxa até hoje...enfim, em 2001 visitei o CT deles e ganhei esta camisa.

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

 banner5

Fonte de Pesquisa:

Fotos e informações enviadas pelo filho de Madureira, Fábio Emmanuel Ferreira;

terceirotempo.ig.com.br

acervo www.historiadordofutebol.com.br

 

 

 

Aqui Camisa do Coritiba que foi enviada de presente para Marcelo Dieguez pelo Ídolo Madureira, ele havia recebido do Presidente do Coritiba em 2001, pois o Coxa sempre esteve tentando sua contratação em sua época de jogador, o que ficou sempre a admiração e amizade com o Clube.

Aqui Camisa do Coritiba que foi enviada de presente para Marcelo Dieguez pelo Ídolo Madureira, ele havia recebido do Presidente do Coritiba em 2001, pois o Coxa sempre esteve tentando sua contratação em sua época de jogador, o que ficou sempre a admiração e amizade com o Clube.

Aqui o Autógrafo de Madureira na Camisa do Coxa pra Marcelo Dieguez

Abaixo Madureira nos dias atuais.

madureirahoje2a

 

 

 

 

"Madureira, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".