Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

JOÃOZINHO PAULISTA, ex-atacante do XV de Piracicaba-SP, CRB-AL, Internacional-RS, Atlético Mineiro, Campinense-PB, Goiás-GO, Cerro Portenho-Paraguai e CSA-AL.

 

 

 

João Édson de Barros, o Joãozinho Paulista nasceu no dia 3 de outubro de 1956 na cidade de Piracicaba no Estado de São Paulo.

Joãozinho Paulista foi um dos maiores artilheiros da história do futebol alagoano.

Começou a carreira jogando no XV de Piracicaba, Joãozinho transferiu-se para o CRB de Alagoas em 1976 com 19 anos de idade.

Ele foi indicado ao CRB pelo ex-árbitro José de Assis Aragão, que também indicou o ponteiro Ditinho, grande parceiro de Joãozinho no ataque daquela primeira temporada.


Joãozinho chegou a Maceió como um desconhecido, mas logo se tornou o maior nome do time.

E, de cara, notabilizou-se como um goleador nos clássicos.

Em seu primeiro clássico contra o CSA, na decisão do Segundo Turno, Joãozinho marcou os três gols da vitória do CRB por 3 a 2.

No Terceiro Turno, novo clássico e nova vitória do CRB, desta vez por 1 a 0, gol de Joãozinho.

Na grande decisão do Campeonato Alagoano, Joãozinho mais uma vez marcou todos os gols da vitória do CRB: 2 a 1, de virada.

Em sua primeira temporada vestindo a camisa do CRB, Joãozinho Paulista foi artilheiro do Campeonato Alagoano com 21 gols.

Sendo considerado por muitos o maior responsável pelo título de 1976, principalmente por seus gols nos clássicos.

“Quem tem Joãozinho, tem tudo” – essas foram as palavras do capitão do CRB naquele título, Valdir Espinosa.

Não era para menos, além de ser o goleador do time e o fator de desequilíbrio nos clássicos decisivos, Joãozinho foi “o cara” da final.

Na partida decisiva, o CSA virou o primeiro tempo vencendo por 1 a 0.

No segundo tempo, brilhou a estrela do artilheiro: dois gols e vitória por 2 a 1.

FICHA DA FINAL DE 1976

08/08/1976

CRB 2 x 1 CSA

Local: Rei Pelé – Maceió (AL)

Público: 24.940

Árbitro: Aírton Vieira de Morais

Cartões amarelos: Fifi, Deco e Pires (CRB); Paulo Sérgio (CSA).

Cartões vermelhos: Roberval (CRB); Rogério, Ênio, Almir, Jorge Siri e Zé Preta (CSA).

Gols: Joãozinho Paulista 46′ 82′ (CRB) / Almir 36′ (CSA)

CRB: César; Espinosa, Pires, Fifi e Flávio; Deco, Alex (Ditinho) e Gilmar (Antônio Carlos); Roberval, Joãozinho Paulista e Silva. Téc.: Jorge Vasconcelos.

CSA: Paulo Sérgio; Oliveira, Bibiu, Zé Preta e Rogério; Tadeu (Carioca), Valdeci e Bruno (Jorge Siri); Ênio, Almir e Gaspar. Téc.: (carece de informação)

 

 

Joãozinho foi vendido ao Internacional, de Porto Alegre, por um milhão e meio de cruzeiros, quantia recorde em Alagoas.

Joãozinho era visto como um potencial sucessor do artilheiro Dario, o Dadá Maravilha.

No alvirrubro de Maceió, Joãozinho Paulista logo tornou-se um ídolo: é maior artilheiro da história do CRB, com 190 gols.

Abaixo Joãozinho Paulista marca de cabeça na final de 1980 contra o CSA, porém no final o CSA empata e fica com o Título.

Foto=Museu dos Esportes de Lauthenay Perdigão

Além disso, foi artilheiro do Campeonato Alagoano em 1976, 1982 e 1984.

Por seus inúmeros gols marcados, recebeu o apelido da torcida alagoana de "João dos Gols".

Abaixo parte do elenco do CRB reunido em 1983. Da esquerda para a direita Ivanildo, Coca, Joãozinho Paulista, Márcio Ribeiro e Valtinho

Após rápida passagem pelo Internacional de Porto Alegre em 1977, Joãozinho Paulista foi jogar no Atlético Mineiro, sendo vice-campeão brasileiro daquele ano.

Era um dos reservas de Reinaldo.

Mesmo terminando invicto, o Atlético perdeu o título em pleno Mineirão, ao empatar sem gols com o São Paulo e ser derrotado nas penalidades.

Na ocasião, Joãozinho Paulista perdeu um dos pênaltis do time mineiro.

O Tricolor, de Waldir Peres, venceu por 3 a 2 (nas penalidades, após empate sem gols no tempo normal) e comemorou o título nacional em pleno Mineirão.

Também defendeu o Botafogo de Ribeirão Preto nos anos 80. Lá, o atacante jogou ao lado de jogadores como o zagueiro Paulo Nelli, o goleiro Luís Henrique, o meia Péricles, entre outros.

Joãozinho ainda defendeu o Goiás, Cerro Porteño (PAR), CSA e encerrou sua carreira no CRB, onde começou a trabalhar nas categorias de base, após a aposentadoria.

Mas Joãozinho Paulista, o João dos Gols, fez história mesmo no CRB.

Sua história de vida e profissional é intimamente ligada ao Galo da Pajuçara.

Joãozinho marcou 190 gols (registro não oficial) com a camisa do CRB, foi artilheiro do certame alagoano em três oportunidades (em 1976, com 21 gols; em 1982, com 23 gols; e em 1984, assinalando 34 gols, um recorde até então, que durou até 1995, quando Inha, também do CRB, fez 37 gols).

Foi campeão alagoano três vezes pelo CRB em 1976, 1978 (esteve fora nos anos de 1977 e 1979) e 1983.

Abaixo o CRB Campeão Alagoano de 1983

Foto=Museu dos Esportes de Lauthenay Perdigão

Joãozinho jogou também no Campinense da Paraíba em 1981.

Campinense, em 1981

Em pé, da esquerda para a direita: Jorge, Berício, Sidney, Rimbo, Zé Carlos e Sales. Agachados, da esquerda para direita: Lima, Gabriel, Alberi, Joãozinho Paulista, Edivaldo e Bebeto

Também defendeu o Botafogo de Ribeirão Preto nos anos 80, em 1983. Lá, o atacante jogou ao lado de jogadores como o zagueiro Paulo Nelli, o goleiro Luís Henrique, o meia Péricles, entre outros.

Botafogo de Ribeirão de 1983

Botafogo de Ribeirão de 1983. Em pé: Luís Cláudio, Luís Henrique, Paulo Nelli, Aílton, Pedrinho e Luiz Florêncio. Agachados: Toninho Cajuru, Vander, Joãozinho Paulista, Péricles (meia que depois jogou pelo Goiás) e Anchieta.

Joãozinho ainda defendeu o Goiás, onde foi Campeão Estadual em 1986.

Goiás 1986

Goiás campeão estadual em 1986. Em pé, da esquerda para a direita: Eduardo, Vavá, Gomes, Carlos Alberto, Valter, Paulo Silva, Carlos Alberto Silva e Rodson Alves. Agachados: Pelezinho, Tarciso, Fagundes, Joãozinho Paulista, Carlos Magno, Benevan e Gonçalino. A foto nos foi mandada pelo querido José Maria Gonçalves.

Depois jogou no Cerro Porteño (PAR).

Jogou no rival CSA.

E encerrou sua carreira no CRB, onde começou a trabalhar nas categorias de base, após a aposentadoria.

 


Como treinador

Após encerrar a carreira, começou a trabalhar com garotos em escolinhas de futebol.

Em 2007, tornou-se auxiliar-técnico do CRB, assumindo o comando da equipe principal.

Por pouco não conseguiu classificar o time para as fases finais do campeonato: no Estádio Rei Pelé, o CRB enfrentava o arqui-rival, CSA, que precisava ganhar de qualquer jeito ou então seria rebaixado.

O CRB venceu o clássico por 2 a 1, mas não se classificou. Entretanto, rebaixou o CSA para a segundona do Campeonato Alagoano.

 

 

Joãozinho Paulista concedeu entrevista exclusiva para Marcelo Dieguez em Maceió após o Treino do CRB no dia 29/01/2013, onde contou sua história para nosso arquivo

Abaixo Daniel Queiroz e Joãozinho Paulista em janeiro de 2013

 

 

Abaixo Marcelo Dieguez e Joãozinho Paulista em janeiro de 2013 após a entrevista exclusiva

 

 

Abaixo Marcelo Dieguez e Joãozinho Paulista em janeiro de 2013

 

 

 

 

 

 

Publicado por: Murilo Dieguez

 banner5

Fonte de Pesquisa:

Entrevista Exclusiva de Joãozinho Paulista para O Historiador Marcelo Dieguez;

acervo www.historiadordofutebol.com.br;

Milton Neves seção que fim levou;

www.crbacimadetudo.com.br

pt.wikipedia.org

Museu dos Esportes de Lauthenay Perdigão

 

 

 

 

Abaixo Marcelo Dieguez e Joãozinho Paulista em janeiro de 2013

 

 

 

 

"Joãozinho Paulista, você faz parte da história do futebol, e eu seu amigo Marcelo Dieguez, O Historiador não vou deixar sua história ser esquecida".